quarta-feira, 24 de março de 2010

23.03.2010: O "Musikverein", os Meninos Cantores de Viena , "Carmina Burana" e "A Noite" de Schubert

O „Musikverein“ em Viena é conhecido mundialmente desde que o Concerto de Ano-Novo (no dia 1.1. às 11.00 hs da manha) com a Filarmonica de Viena é televisionado e emitido para quase todo o mundo (lembro-me de que, ainda criança, assistíamos empolgadíssimos no Brasil este evento).
Em si, o Musikverein é muito mais do que uma linda sala para Concertos que “respira história”.
É um Templo para a Música com uma grande acústica (e péssimos assentos)!

Neste “Templo” já tive oportunidades de assistir grandes mestres, mágicos “Sacerdotes” da Arte como Riccardo Mutti, Nikolaus Harnoncourt, Herbert von Karajan, Lorin Maazel, Claudio Abbado e ouvir grandes vozes como Agnes Baltsa e Christa Ludwig (num dos melhores e mais inesquecíveis concertos que presenciei até hoje).
Todo ano, como já uma vez descrevi aqui, assisto na TV também o Concerto de Ano-Novo e vejo na segunda fila do lado esquerdo meu primo, Hubert Kroisamer, um dos primeiros violinistas da Filarmonica e (todo ano) penso que deveria ligar para ele…

♫ Ontem tive a oportunidade de assistir lá um memorável recital dos Meninos Cantores de Viena (Wiener Sängerknabben). Como sempre as vozes angelicais destes meninos nos fazem sonhar, nos levam em longas viagens musicais para distantes terras, nos enchem de esperança e nos trazem felicidade, conforto, harmonia. Como pensei em Mamãe (e em papai), que se lembra até hoje tão vívidamente de uma apresentação dos "Meninos Cantores" (da época) no Rio nos anos 50...♪

♪ Surpreendido fiquei com uma escolha musical feita para eles já que num dos “Encores” cantaram “Stormy Weather”. ♫ Uma maravilha. Lena Horne teria gostado!

Durante o recital, ocorreu-ne um pensamento curioso: estas vozes representam ainda umas das melhores coisas que temos neste país… Elas aindam representam a Austria e sua forma de pensar… Uma Austria que também, pouco a pouco, está desaparecendo. Literalmente se desintegrando culturalmente como a maioria dos países europeus (A globalização não dá chance a ninguém, não permite manter suas características).

Que incrível exemplo devem ter sido estas vozes (puras e de paz) quando a Austria, em 1938, foi anexada à Alemanha, desapareceu do mapa (pois como “estado” alemão passou a pertencer ao “III Reich” e chamar-se “Ostmark”) e neste país não mais ouvia-se muito música no rádio porém altas e barulhentas ameaças alemãs.

A apresentação, a noite de ontem foi dividida com dois outros corais: um coral da China e um outro de Viena.

♫ No final os tres corais reuníram-se em cena (mais ou menos 130 vozes) para cantar “Carmina Burana”. Interessante como os “Meninos Cantores” tomaram o lugar dos sopranos (que faltavam um pouco no coro de Viena) dando toda uma nota especial à música. Como sempre “O Fortuna” é repleto de grande emoção. E no lugar muito privilegiadíssimo onde estávamos sentados, a maravilhosa acústica do Musikverein contribuiu ainda mais para que apreciássemos tanto o espetáculo, a noite… ♪

A música me fez viajar longe. Pensamentos, Sonhos, Lembranças. Como dizia Karen Blixen? "O viajante da mente precisa de pouca bagagem... "!
Peguei-me até “sonhando acordado”, relembrando-me de como uma vez, já há muitos anos, dancei em “In Taberna”, também de “Carmina”!
Roda Fortunae…
♫ ♪

E para quen nunca ouviu os "Sängerkanbben", um gostinho só... "Die Nacht" (A Noite) de Schubert...
">

Entendem agora porque adoro viver na Austria?

20 comentários:

Marcia disse...

Realmente é maravilhoso, um sonho..

Maurette disse...

Ricardo,
Entendo sim. A delicadeza desses meninos é realmente um ícone além do tempo. É como se, para nós, os Meninos Cantores fossem sempre os mesmos, retrato de uma inocência eterna da flor da juventude. É como se olhássemos para esses garotos e adivinhássemos suas vidas domésticas - o ir e vir da escola, os estudos de música e seu permanente interesse nas obras que cantam, as refeições em família, até mesmo o terninho de marinheiro que também se torna um ícone e um instantâneo no tempo - e eles fossem crianças imemoriais, sem internet, sem amadurecerem cedo demais, sem serem perturbados pelo mundo exterior.
Quando você fala, com certa nostalgia, dessa Áustria que a seu ver vem se desintegrando, penso num álbum de figurinhas que a minha mãe guardara da sua adolescência: Raças e Costumes de Todo o Mundo. Nesse álbum, aprendíamos como as diferentes pessoas no mundo se vestiam, seus principais costumes, a forma como viviam. E quando olhávamos, achávamos que a vida delas era mais ou menos como naqueles desenhos (quase hiper-realistas) que víamos nas figuras. O mundo de então tinha, aparentemente, comportamentos estanques, países definidos, raças que moravam em tal e tal lugar. Hoje temos um mundo em revolução, correntes migratórias nem sempre apreciadas (no nosso tempo era bom ter imigrantes, hoje em dia a vida deles é bem mais difícil), globalização no pior sentido, mas também movimentos contrários que buscam amenizar as perdas de identidade, o descontrole das transformações.
Imagino você ontem no Musikverein, que adoro sem conhecer por causa do "meu" :) Carreras - que por sinal ama Viena também -, sentado em sua poltrona nem tão confortável assim, como você mesmo diz, deixando-se levar por essa suavidade que fala de pureza, que transcende, que nos envia a um mundo que, mesmo em aparente extinção, teima em resistir, talvez para nos provar que a beleza é mesmo algo indelével, e que o que realmente importa, para que exista, é que nossos corações e sentidos se lembrem dela tal como a recebemos da primeira vez.
Um beijo para você e viva a Viena que vive dentro de nós - mesmo dos que, como eu, ainda não a conhecem.
Maurette

Anônimo disse...

Obrigada, Ricardo. Gosto mt de ler o seu blog nas horas vagas.
Vc e' extremamente criativo em ideias e postagens.
bjs
Gloria

angela disse...

Riardo
Maravilhoso coral e as vozes são angelicais. Entendo que uma alma como a sua passaria muita fome por aqui.
beijos

Alice Barth disse...

Os meninos também fazem parte da minha forma de sentir com emoção, acho que nos fazem pensar em pureza mesmo...

Acho que não tem nada a ver, mas me deu vontade de anexar este poema do Fernando Pessoa...

Poema do Amigo Aprendiz

Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar a tua vontade.
Sem falar, quando for a hora de calar.
E sem calar, quando for a hora de falar.
Nem ausente e nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo mas confesso que é difícil aprender!
E por isso eu te peço paciência.
Vou encher o teu rosto de lembranças, dá-me tempo para acertar as nossas distâncias...

De repente tem a ver sim, com você, com o que você nos faz sentir, as lembranças, o coração...

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Lembrei na mesma hora de minha mãe, que assistiu por duas vezes os meninos cantores e seguidamente ela fala sobre suas belas vozes e conta como é feita a seleção.
Carmina Burana? tudo de bommmmmmm!!!
Chista Ludwg? nossa é para sonhar...
Adoro você Ricardo e suas postagens, elas nos fazem recordar, sonhar, enfim..viver!

com senso disse...

Caro Amigo

Entendo perfeitamente porque adora viver na Austria, pois é um dos países mais belos e interessantes para se viver, que eu conheço.
As cidades são pujantes de cultura e riqueza arquitectónica e os campos são de uma beleza encantadora, com paisagens que parecem ser retiradas de ilustrações antigas de livros de contos de fadas.

Isto para não falar daqueles pequenos prazeres que vêm da sua fantástica pastelaria que está muito para além dos deliciosos apfelstrudel (especialmente quando acompanhados do delicioso molho de baunilha) e da sempre agradável (mas já um pouco industrializada) sachertorte e dos belos fritos Kaiserschmarrn que me lembram sempre a nossa doçaria natalícia.

Quanto à música, a Austria é o País da música e também eu tenho um ritual que não dispenso, desde criança, para o primeiro dia de cada ano, que é o de assistir em família, pela televisão aos Concertos de Ano Novo que se realizam na belíssima Musikverein.

Uma sala mítica onde também já tive a oportunidade de assistir a um belíssimo concerto.

Em Portugal designamos esse coral de meninos por "Pequenos cantores de Viena", mas infelizmente ainda não tive a oportunidade de os ver ao vivo.

Tenho apenas alguns dos seus CDs e guardo na memória algumas das suas belas interpretações de canções de Natal que vi na televisão ainda na minha adolescência.

Viena e a Austria em geral são um dos meus destinos preferidos, como de resto acontece com boa parte da Europa Central e, não sendo por natureza invejoso, sinceramente gostaria de poder ter as oportunidades fantásticas que o Ricardo aí possui de respirar cultura e beleza em cada lugar, em cada esquina.

Acresce ainda que se come muito bem e bebe um excelente vinho nessas paragens, o que mais ainda me deixa cativado por esse lugar de sonho, onde as sombras de Maria Teresa, Sissi e Franz Joseph ainda nos acompanham serena e esplendorosamente.

Viena e a Austria em geral são um lugar que tem tudo para se poder ser feliz.

Carlos Eduardo Leal disse...

Ricardo,
A música deles, como para mim a música clássica em geral, é atemporal. Não pertence a tempo nenhum e miraculosamente pertence a todos os tempos. Cresci ouvindo música clássica. Minha mãe toca violino desde seus 4 anos de idade (hoje ela tem 82), já foi spalla de algumas orquestras aqui no Brasil. Então, desde seu ventre acompanho metrônomos, batutas, vibratos, movimentos diversos e é sempre uma alegria ouvir, ainda mais assim, de forma inesperada, excelente música. Adoro Shubert, mas Bach e Mozart são insuperáveis. Que maravilha são estas suas Tertúlias. Me sinto privilegiado de poder te ler e ouvir,
Grande abraço,
Carlos Eduardo

Anônimo disse...

Querido Ricardo,que belíssima viagem
no tempo e na História voce acaba de me proporcionar...acabei me sentando
ao seu lado,na platéia, ouvindo estas
vozes celestiais,desta feita fomos
cumprimentar seu primo...ao final do
espetáculo,fomos juntos caminhando de
braços dados e voce foi me contando
a história da Austria e do prazer de
morar em Viena...ao chegarmos em casa
fomos direto na "caixinha mágica" e
pude ver voce dançando IN Taberna....Eis nosso maior tesouro:
quando uma história é bem contada,
podemos viajar nela,participar dela
Nossa mente,nossas memórias realmente são nosso maior tesouro!
Querido Ricardo...passamos uma noite linda!
Cristina Martinelli

Tertúlias... disse...

Queridos Todos, que comentários mais densos, honestos, meigos e profundos... Voces nao imaginam como isto faz bem... Despertar memórias, sonhos... sinto-me quase como o "Mago" que tem a "Roda da Fortuna" sob seu poder :-)) E eu que andava pensando em "fechar" estas "Tertúlias"...
Quero fazer um agradecimento muito especial: Cristina, querida - sei que voce tem tido um tempo muito estressado e estressante e desgastante... por isto um Obrigado muito especial por ter escrito mas acima de tudo por ter entrado no "pique do Viajante de Mente", ter-se deixado levar e ter divagado, sonhado, sentido, vivido estes momentos que eu estava querendo comunicar (e que um dia vamos vivenciar aqui, né?). Beijos para todos Ricardo

Efigênia Coutinho disse...

(lembro-me de que, ainda criança, assistíamos empolgadíssimos no Brasil este evento).


Desde menina, eu ja admirava estes pequeninos, são momentos de nossas vidas,jamais esquecidos, onde sentimos uma presença divina quando do seu canto, muito obrigada, eu adorei, como adoro sua pessoa, sempre com donaire,
e sei que este envolve gostar tanto deste país em que vive.
(obs:Vídeo não abriu)
BRAVO!!!
Beijos,
Efigênia
ps: embarco dia 11 NY.

mundo azul disse...

_________________________________

...aiai! Que maravilha deve ter sido...Feliz é quem tem a oportunidade de estar presente a tais apresentações!


Beijos de luz e o meu especial carinho, Ricardo!!!


_________________________________

Pena disse...

Admirável Amigo:
MUITO OBRIGADO pela simpatia e amabilidade no meu cantinho das letras.
Tudo o que faz é perfeito. Exímio de sensatez e curiosidade.
"...O „Musikverein“ em Viena é conhecido mundialmente desde que o Concerto de Ano-Novo (no dia 1.1. às 11.00 hs da manha) com a Filarmonica de Viena é televisionado e emitido para quase todo o mundo (lembro-me de que, ainda criança, assistíamos empolgadíssimos no Brasil este evento).
Em si, o Musikverein é muito mais do que uma linda sala para Concertos que “respira história”.
É um Templo para a Música com uma grande acústica (e péssimos assentos)!..."

Lembro-me, perfeitamente, do meu pai gravar sempre este extraordinário Concerto para ele divinal.
Era pequeno, mas reparava curioso em tudo.
Abraço ao seu admirável talento e a si como pessoa brilhante amiga.
Sempre no maior respeito e consideração.
MUITO OBRIGADO.

pena

Bem-Haja, simpático amigo.
Adorei a sua extraordinária visita e o que lá deixou ficar.
Bem-Haja, gigantesco ser genial.

Anônimo disse...

Algum dia ainda vamos à opera, trajados de gala, sapecas e saltitantes! Adriana

Marcos Dhotta disse...

Caríssimo Ricardo,

Você é quem nos encanta sempre com seus posts "Glamourosos". E passear por aqui é estar antenado -SEMPRE - a tudo que acontece por aí. Valeu pela visita. Retornei depois de "longo e tenebroso inverno....". Mundo Virtual e Mundo Academico não combinam. Cada um que exija tempo e disponibilidade. Mas finalizado minha pós graduação, posso dedicar-me aos blogs e amigos blogueiros.... Abraços

Danielle disse...

Ricardo, que lindo! Não entendo de música, mas como ela emociona sem que precisemos entender muito a respeito, não?
Invejo essa noite memorável que você passou (é uma inveja boa, viu!). Não temos por aqui esses "templos da arte". Poucos teatros com boa acústica, e quase nenhuma música clássica. Aproveite muito o que você tem! E o que é isso de fechar as Tertúlias? Para com isso! Seja lá o que tenha acontecido, deixe estar. Há muitas pessoas que gostam de você por aqui.

Bjinhos
Dani

Anônimo disse...

Vienna is a lovely city! There's music everywhere... Lucky you to be there! Love Mike

Juju e Caca disse...

Parabens pelo site, eu assisti quando era criança um filme que narrava a historia dos pequenos cantores, salientando principalmente a de um garoto que, embora pobre, consegue entrar neste maravilhoso coral. Gostaria muito de rever o filme, porem não encontro em site algum. Como conhecedor pleno do coral, sabe de alguma coisa?
beijos
Jussara

Tertúlias... disse...

Jussara, voce nao vai acreditar mas fui est filme quando era pequeno. Meu pai, que era austríaco, me levou... e eu queria virar menino cantor de Viena... eu me lembro que o menino passava pelo problema da troca da voz... Vou tentar ver se encontro alguma coisa sobre este filme... nao sei nem o nome! Obrigado pela visita! Ricardo

Juju e Caca disse...

Caro Ricardo
Não pense em acabar com este site Tertúlias, pois são raras as coisas aproveitáveis que temos na net, e seu site é maravilhoso!
Consegui encontrar o filme pela net, uma pena que eu não domine o ingles e muito menos o áustríaco para poder assistir este lindo filme. Chama-se ALMOST ANGELS!
Abraços e obrigada pela atenção!
Jussara