quarta-feira, 1 de outubro de 2008

O "passado" de Betty Boop...

O primeiro Cartoon com Betty Boop foi feito em 1930, produzido pelos irmãos Fleischer para a Paramount. Este, “Dizzy Dishes” fazia parte da série “Talkartoon” na qual Betty era uma mera coadjuvante e “Bimbo” o verdadeiro astro. Já no início de sua carreira a sua marca registrada era o seu extremo Sex-appeal. Depois, por causa do grande sucesso com o público, foi produzida uma série de desenhos animados no qual ela tornou-se a estrêla.
Numa época em que heroínas de desenhos animados eram práticamente assexuais (vide por exemplo Minnie Mouse) não havia quase nenhum episódio no qual ela não deixasse de arrumar as meias (e a liga) ou de levantar a saia ou de ser assediada por algum personagem do sexo masculino (numa direta implicação da palavra “sexo”).

Exatamente a saia curta, as ligas e os cachinhos curtos (numa cabeça extremamenre "cearense") transformaram-a numa verdadeira “flapper” dos “roaring twenties”. Estas eram as mulheres que eram livres, que fumavam e que sabiam festejar e dançar. Imediatamente os irmãos Fleischer “usaram” o talento musical de Betty e várias cooperações musicais com artistas famosos do rádio da época foram produzidas. Tudo isto junto ao quase “surrealismo” dos irmãos Fleischer transformou esta série de Cartoons em algo inesquecível e muito especial!

Um grande momento de Betty aconteceu num Cartoon no qual ela, num palco de Vaudeville, aparecia imitando grandes artistas da época como Jimmy Durante, Maurice Chevalier, Fanny Brice (vide minha postagem “Fanny Brice – Funny girl?????” de 4 de julho) e até a esquecida Gilda Gray dançando o Hoola (uma das minhas cenas peferidas na qual ela, práticamente nua, só com um colar de flôres, realmente “abusa” do direito de ser sexy!).
Mas a sua imagem sexy e ousada virou um problema para o estúdio e para os irmãos Fleischer. A nova censura que abalou a indústria cinematográfica a partir de 1934 obrigou nao só Cecil B. De Mille a “comportar-se” e a não mais filmar nús e orgias, como também a Betty a usar um vestido bem mais longo, a ser menos sexy e até a virar uma comportadíssima dona de casa com um pequeno cachorrinho. Max Fleischer tentou salvar a série com “cameos” de outras figuras de desenho animado mas não sucedeu. O interêsse do público por Betty foi diminuindo e o seu último cartoon foi feito em 1939.
Em 1988 Betty ainda fêz uma aparição especial (como único personagem em prêto-e-branco) no colorido “Roger Rabbit”.
O que todos esqueceram é que Betty, muito antes de tornar-se a encantadora e atraente “IT-girl” aparecia com“Bimbo”, como sua namorada. “Bimbo” (hoje em dia um termo pejorativo para uma “mulher avoada, completely brainless” era antes usado única- e exclusivamente para pessoas de pouca inteligência do sexo masculino) era um cachorrinho meio bobinho e Betty sua namorada canina!!!!!
Sim, esta é a verdade sobre o passado de Betty: ela era uma cadela quando começou sua carreira!!!!!
O focinho desapareceu aos poucos, as pernas tornaram-se mais finas e delineadas e as suas longas orelhas transformaram-se em brincos. Aqui abaixo suas orelhas ainda caninas...

E se exalta a incrível transformação que Hollywood fêz com Rita Hayworth, transformando-a daquela mexicaníssima Rita Cansino (que tinha feito até filmes de “Charlie Chan”) numa ruiva, quase irlandêsa que abalou as telas Technicolor dos anos 40 (mais assunto para outra postagem)! Nada, realmente nada em comparação à nossa eterna “Boo-boo-pe-do” Betty Boop !!!!

24 comentários:

Ivo Korytowski disse...

Os moralistas falaram mal da Betty Boop mas esqueceram da safadinha da Olivia Palito que vivia sacaneando seu tão dedicado namorado Popeye, flertando com o brutamontes do Brutus! Essa sim a verdadeira "cachorra"!
Está ótimo o blog!

Angela Ursa disse...

Oi, Ricardo! Eu não sabia que a Betty Boop, inicialmente, era uma cadelinha. Adorei conhecer melhor a história dessa personagem :)) Beijos da Ursa

tertulías disse...

Ivo, estou de pleno acordo... as patifarias de Dona Olivia eram realmente terríveis! Pobre Popeye...

Anônimo disse...

Nao sabia desta estória... uma cadela!!!!! pode?

bueno disse...

voce teria o telefone do cirurgiao dela? Nao? Entao me passa o da Rita, vai!

Jôka P. disse...

Boop-oop pe Doo !

Maurette disse...

Bem, considerando o revival que a Betty Boop está experimentando, uma superprodução Technicolor de longa metragem, em tempos tecnológicos, faria mais furor do que a tal Lara Croft hehehehehe....
Bj
Maurette

BANDEIRAS disse...

Uau !! ela era uma cadela ? eu não sabia ! mas mesmo assim, deveria ser linda !
Abraços e obgda pela visita.

Anônimo disse...

"cearense"?????? adorei... Magda

Anônimo disse...

cearenssíssima... :-))

Anônimo disse...

naum gostava dela nem um pouquinhoo ,agora que eu descobrii naum gosto msm .

As Tertulías disse...

Coitadinha de Betty :-))

Agora me dei conta: esta é uma das tertúlias mais lidas... está sempre na lista das tertúlias mais populares na página principal... e quase nao tem comentários! Que coisa estranha!!!!

Anônimo disse...

mesmo sabendo sobre o passado da Betty Boop eu ainda gosto dela por ela ser uma personagem q encanta seus fãs com seu jeitinho.

Anônimo disse...

BETTY VC É MUITO LINDINHA PODE CONTINUAR COM ESSE SEU JEITINHO MEIGO DE SER NAO LIGA PRA QUE ELES DIZEM NAO!!!

Mari disse...

Betty boop adoro vc.

Moreniinhaa_Angra@live.com disse...

Noossa qe passado em!! Msm assim te adoro mt betty bijm .

Gatos, Corujas, Girassóis e Borboletas disse...

A adorável Betty Boop sempre terá seu encanto!

silentbeauties disse...

É algo realmente irônico que aquela boneca que vira e mexe está presente em adesivos, e em vários objetos de papelaria possa ter uma história tão rica. E a grande maioria das pessoas sequer imagina isso.
A tragetória da Betty Boop reflete bem as mudanças que o cinema passou com o advento do código Hays e o quanto ele estabeleceu o padrão dos filmes americanos que vemos até hoje. E tb mostra o quanto é fácil simplesmente sumir com um personagem e fazer com que sua lembrança evapore rapidamente da mente das pessoas. Betty foi muito popular, mas tão pouco tempo depois quantos se lembravam dela? Quantos atores de filmes mudos passaram por essa mesma queda quando os filmes passaram a ser falados? Há pouco tempo eram famosos e reconhecidos em vários paises e logo depois cairam no ostracismo. Não importa a época, mas tão fácil quanto fazer um ídolo das telas é sumir com ele em pouco tempo. Que loucura!

Daniele Rodrigues de Moura disse...

Ai, que gracinha! Amei!!!!!
boo-boo-be-doo! Betty Boop!
Que fofinho, Ricardo!
Um abraço
Dani

Lícia disse...

Oi,Ricardo

Muito interessante! Não sabia que Betty Boop originalmente era uma cadela,e acabou virando uma cachorra bípede cassada pelo falso (e cínico) moralismo da época.

Altos simbolismos...ai,ai...

Sempre a vejo em lojas,sob as mais variadas formas, que vão de cartões a bonequinhas,por exemplo.

Betty Boop mexe com o imaginário masculino,encarnando a pin-up, clássica e inocentemente provocadora,mesmo em tempos de tantas,digamos,escancarações nas HQs,por exemplo.

É a velha fórmula: o diferente,antigo mesmo + o contraste com a atualidade = sucesso mantido.

Sempre funciona,amigo.

Bjs

Lícia



Anônimo disse...

Assar o seu adoro a betty

Anônimo disse...

Adoroooooo a betty boop

Sônia Regina Rego Alves disse...

Adoro a Betty Boop...Sua história é fantástica...deveriam lança-la novamente,tenho certeza que faria o maior sucesso novamente...Afinal estamos na época das cachorras das cachorras do funk...

Anônimo disse...

Fala serio vulgarizarao a betty boop mais não muda nada amo ela e fiz uma tatu em homenagem